A modernização da agricultura nas áreas de Cerrado em Goiás (Brasil) e os impactos sobre o trabalho

Marcelo Rodrigues Mendonça, Antonio Thomaz Júnior

Resumen

A modernização da agricultura no Planalto Central brasileiro (áreas de Cerrado) alterou profundamente a dinâmica do trabalho, expressando uma nova processualidade, assim como um novo desenho societal na relação cidadecampo. A tecnificação promoveu a migração compulsória de famílias que viviam do trabalho na terra para os centros urbanos, e, no caso em estudo, com destaque para Goiânia e Brasília. Além de perderem o meio de produção– proprietários de terra– e a possibilidade de acesso à terra (arrendatários, agregados etc.), não dispuseram de apoio oficial para o desenvolvimento de atividades urbanas, sendo, pois, então, privados dos meios essenciais para a sobrevivência, amontoando-se na periferia das cidades, sem qualquer alternativa de trabalho que não fosse o trabalho temporário (bóiafria) em algumas épocas do ano e/ou trabalhos domésticos e braçais na cidade. Com a modernização conservadora da agricultura ocorreu uma diminuição significativa da oferta de trabalho rural na região Centro-Oeste, principalmente no Estado de Goiás, pois em 1985, segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os trabalhadores rurais somavam 616 000 e uma década depois se situavam em torno de 472 000, o que demonstra as mudanças no trabalho rural após a adoção das inovações técnicas e tecnológicas.

Palabras clave

Sudeste Goiano; relação capital x trabalho; modernização da agricultura; trabalhadores rurais; Geografia do Trabalho
Texto completo: PDF

Herramientas del artículo

Envíe este artículo por correo electrónico (Inicie sesión)
Enviar un correo electrónico al autor/a (Inicie sesión)

Estadísticas del artículo

vistas descargas
anual histórico
vistas 56 868
descargas 33 858